Aviso: na biblioteca de Jacinto não se aplicará o novo Acordo Ortográfico.

08 maio 2007

Madeleine

O país está em alvoroço por causa do misterioso desaparecimento de uma menina inglesa num condomínio de férias no Algarve. Quem lê os jornais online, quer os portugueses, quer os britânicos, vê também os comentários que os seus leitores, sempre muito opinativos, fazem a este acontecimento e às suas circunstâncias. Como em casa onde não há pão, onde todos ralham e ninguém tem razão.
A minha opinião é que os pais da menina falharam redondamente nas suas responsabilidades. Além do risco de acidentes não provocados como uma fuga de gás, um curto-circuito ou uma inundação, é de elementar bom senso não deixar três crianças pequenas sozinhas em casa, numa idade em que já conseguem correr pela casa - e uma casa desconhecida é sempre uma aventura de exploração - mas ainda não têm a noção dos riscos inerentes a uns dedinhos na ficha eléctrica, a uma frigideira em cima da bancada, a uma queda de um banco ou - tão comum nestas idades - um pequeno objecto levado à boca. Já para não falar do raptor que entra pela janela, em que normalmente ninguém pensa. Para um português isto é óbvio. Mas também compreendo que o comportamento destes pais é considerado normal na Europa setentrional. As crianças são entregues a si mesmas desde tenra idade para se tornarem independentes desde cedo. Aqueles pais fazem com os seus filhos o mesmo que os seus próprios pais fizeram com eles e os avós com os seus pais. Não têm a noção de terem negligenciado as crianças. Podemos pôr em causa a mentalidade que está subjacente a este comportamento e é essa mentalidade que eu ponho em causa, não este comportamento em particular.

Outra questão são as críticas à actuação da Polícia Judiciária (aliás, aproveitadas pela imprensa britânica) que não considero justas. Parece que toda a gente sabe como a polícia deveria actuar. Toda a gente menos a polícia, claro. De treinadores de bancada, os portugueses passaram, nos últimos dias, a detectives de sofá. Eu tenho por hábito e por princípio, confiar nos profissionais. Em todos os profissionais. Parto sempre do princípio de que, se uma pessoa recebeu formação para exercer uma determinada profissão e se a exerce não sou eu que vou dizer, precipitadamente, que essa pessoa não sabe o que está a fazer. Isto não invalida que, numa avaliação distanciada, se possa vir a perceber que houve erros e que determinado profissional não agiu correctamente, ou seja, de acordo com o que deveria ser o seu procedimento enquanto profissional. Mas essa avaliação deve ser feita a posteriori e deve ser feita por outros profissionais. Seja como for, as críticas têm sido apontadas a toda a actuação da própria Polícia Judiciária o que é gratuito. Alguém acha realmente que a PJ está a dizer tudo? E alguém acha isso desejável? Quem nos garante que as informações avançadas pela imprensa relativas a zonas vigiadas e a métodos utilizados correspondem à realidade? Isso, sim, seria de uma ingenuidade amadora. Não tenho a mínima dúvida de que a Polícia sabe mais do que declara, faz mais do que conta e usa métodos que não revela. E os detectives do sofá deveriam, no mínimo, estar calados porque deve ser terrivelmente desanimador para os profissionais da Polícia estarem a dar o seu melhor (há quantas noites não dormem nem comem decentemente?) e a ouvir as criticazinhas mordazes e mesquinhas de quem só sabe dizer mal. Sinto muitas vezes que alguns portugueses preferem que as coisas corram mal só para depois dizerem que tinham razão. Vejo isso no futebol, vejo isso na política, vejo isso quando há incêndios e desastres naturais e, por incrível que pareça, vejo isso agora, quando está em risco a segurança e a vida de uma criança. Também esta é uma questão de mentalidade e é um aspecto da mentalidade portuguesa que me desgosta particularmente.

3 comentários:

Brikebrok disse...

Um casal de médicos ingleses pode permitir-se um serviço de babysitting mas não o faz porque, como dizes, a mentalidade é diferente da nossa. Vivo no estrangeiro há muito tempo e os meus filhos têmfrequentado escolas internacionais onde um dos principais objectivos "didácticos" de algumas actividades da escola é "aprender a viver sem os pais"- uma verdadeira obsessão que se concretiza em estadias forçadas com a escola fora do ambiente familiar. Resta saber o que é a infância, senão o tempo despreocupado em que se vive com os pais ? é essa a principal força que guardaremos dentro de nós para enfrentar o tempo em que viveremos sem eles...
Se tivéssemos mais orgulho nos nossos valores, teríamos também mais confiança no esforço da PJ ...

MCA disse...

Com todos os defeitos que a educação "à latina" tem (e se os tem!!! católica, tradicionalista, provinciana, intrometida, às vezes opressiva, com espírito de clã, quase "mafiosa"), continua a ser a que produz seres humanos mais equilibrados e de bem consigo próprios porque é instintiva, visceral, arrebatada e tremendamente humana. A mesma Mãe que dá a palmada agora cobre de beijos depois. Os nórdicos nem batem nem beijam. A educação mecânica, fria e individualista dos povos setentrionais pode produzir excelentes empresários, grandes líderes e cientistas geniais mas seres humanos muito pobres.

jose quintela soares disse...

Inglaterra...velha "aliada"...trata Portugal, neste caso como em todos, como um país do "quinto mundo". Mas com a nossa habitual bajulação perante tudo o que fala "estrangeiro"...permitimos....e encolhemos os ombros.

"Pequeninos"...como sempre.