Aviso: na biblioteca de Jacinto não se aplicará o novo Acordo Ortográfico.

22 maio 2007

O meu olhar sobre a ilha de São Miguel (3)

Sete Cidades. Este foi um encontro inesperado. Já a tinhamos visto do outro lado (lá ao fundo) e reencontrámo-la, dois dias depois, ao cimo de uma estrada que eu não sabia onde ia dar (não ia a acompanhar no mapa...). Esplendoroso!


2-05-2007, 17:26

7 comentários:

jose quintela soares disse...

É espectacular, de facto.
Mas a do Fogo...em dias de penumbra, não o é menos.

MCA disse...

Pois é, mas via-se muito mal... É difícil tirar fotos à do Fogo.
Obrigada pela visita.

André Alves Correia disse...

Eu tive sorte quando subi ao Fogo. Estava um daqueles densos nevoeiros, não se via nada lá para baixo. Entretanto já na descida decidimos parar mais uma vez, quando a bruma se desfez e a Lagoa do Fogo se revelou... É esse instante que coloquei no Confidências.

A tua série anterior está muito bela, Clara. Cá continuamos à espreita de mais surpresas!

MCA disse...

Obrigada, André. Eu ainda estou a passar as fotos a pente fino. Acho que consegui pelo menos uma boa imagem da lagoa do Fogo, entre várias muito nebulosas. Se estiver em condições também a ponho aqui. Mas foram mais de 2000 fotos que fiz em São Miguel!

Silvia disse...

Obrigada pela visita ao Efeito Pimenta! Acho que a lei é mesmo polêmica e por isso escrevi sobre ela, que não está tendo muita repercussão aqui no Brasil, não. Adoro o jeito de vocês falarem. Parece muito mais certo do que o nosso!

teresamaremar disse...

Está a fazer um ano que lá estive e existia um problema quanto às cores habituais que a lagoa oferece, resultado de fertilizantes e outros químicos dos terrenos em volta, que para a lagoa escoam. Uma pena.
A do Fogo exigiu um regresso no dia seguinte, que nesse estava envolta num nevoeiro que teimou não dissipar.
Curiosamente, o que mais recordo da ilha, são os caminhos serpenteantes estrada fora muito cuidados e o aroma daquela plantaçáo de chá (não recordo agora o nome). A casa senhorial a lembrar antigas fazendas de café, e o aroma doce e quente das folhas ainda verdes envolvendo o ar. Inesquecível.

Bruno Duarte Eiras disse...

Infelizmente durante o congresso não deu para ir à Lagoa das Sete Cidades... Mas quando fui à Lagoa do Fogo tive sorte porque estava um dia excelente! Obrigado pela partilha destes momentos!