Aviso: na biblioteca de Jacinto não se aplicará o novo Acordo Ortográfico.

18 setembro 2007

Hipócritas!

Bruxelas está preocupada com a concorrência desleal.
Pasme-se! Bruxelas está preocupada com a concorrência desleal... da Microsoft!
Sim, eu li bem. Li duas vezes e li bem. A Microsoft faz concorrência desleal porque inova onde os outros não conseguem e porque oferece software. E isso é concorrência desleal.

A China não! Oni soit qui mal y pense...
Direitos laborais? Eles estão habituados a trabalhar 16 horas, sempre foi assim.
Trabalho infantil? Não interessa! Os putos chineses têm bom corpo para trabalhar.
A Europa tem de permanecer limpa dessas abominações, claro, em nome da sacrossanta «Civilização Ocidental». Agora, os outros não. Os outros não precisam disso. Sempre viveram assim, que diferença faz? Mais escravo menos escravo. Mais chinês menos chinês. Eles já são tantos!

Quem é que se interessa, no conforto dos sofás de Bruxelas, nos frescos gabinetes com ar condicionado, se todos os anos milhares de crianças de olhos em bico são roubadas à miséria das suas choupanas, em aldeias cujo nome ninguém consegue pronunciar, para serem lançadas à pazada (a forquilha podia danificar o material) em fábricas de brinquedos, de tecidos, de componentes eléctricos, de tapetes, de roupas, de sapatos... Isso interessa a quem?!? Na baiuca minguavam com meia tijela de arroz. Na fábrica minguam com uma tijela de arroz. Minguam menos.

Podiam, no entanto, estes senhores de Bruxelas, que comem números ao pequeno almoço, ao almoço e ao jantar (o que prova um fenómeno nutricional curioso: os numeros engordam!) podiam estes senhores de Bruxelas, estar preocupados com a concorrência desleal: menos direitos laborais, preços mais baixos, prejuízo para as empresas europeias. Podiam até estar preocupados com o controlo de qualidade, com as famosas normas europeias que espartilham o trabalho das nossas fábricas até à obsessão em nome da qualidade, da saúde pública, da segurança. Mas não. Os senhores de Bruxelas só se preocupam com a segurança dos produtos produzidos dentro da Europa.

Resumindo, podiam os senhores de Bruxelas - já que não se preocupam com os outros - estar ao menos preocupados com o bem estar, a prosperidade e a felicidade dos cidadãos europeus que lhes pagam os ordenados. Mas não. Aos senhores de Bruxelas isso não interessa para nada.
Há muito empresário europeu a quem convém que na China - e em outros países onde não se respeitam os direitos humanos, onde os salários (quando há salários) são despudoradamente baixos, onde os direitos laborais são inexistentes - a quem convém, dizia, que a situação se mantenha para poderem, precisamente, fazer lá (aos desgraçados que não têm onde caír mortos e a quem uma tijela de arroz é uma benção do céu) o que não podem fazer cá, aos europeus, porque Bruxelas não deixa, porque parece mal, porque isso não é civilizado. Na pior das hipóteses, por cá mandam-se umas famílias para o desemprego mas isso é o menos porque o Estado social não deixa ninguém morrer à fome.

A bem dizer, os senhores de Bruxelas estão-se nas tintas (tintas sem chumbo e certificadas por uma ISO qualquer, claro!) para a concorrência desleal. A bem dizer, a concorrência desleal é um pretexto desconchavado que eles inventam para enganar os papalvos.
Deviam cobrir-se de alcatrão e penas, estes senhores de Bruxelas.

«Ai de vocês, mestres da lei e fariseus, fingidos! Tão cuidadosos em polir o copo por fora, enquanto que por dentro está todo sujo de roubos e de cobiça!»
(Mt. 23, 25-26)

20 comentários:

André A. Correia disse...

Olá Clara,

Os de Bruxelas vivem num mundo à parte, reflexo da situação que se vive em cada um dos países de origem! Veja-se o que o novo Código do Processo Penal, entrançado pela dupla PS/PSD, conseguiu em 3 dias!

Palavras para quê... É a civilização! Hoje, depois da manchete do Correio da Manhã, fiquei estarrecido, desconsoldado, enfim, deprimido. Desculpa o carpir de mágoas aqui.

Manuelinho disse...

Texto forte, análise correcta, muitas verdades ditas. Queres um processo? Nos dias que correm tudo é possível, Clara. Eu que o diga! -Esta gente - lacaios de Bruxelas e de quem mais? - não gosta de verdades..
Um beijo

Brikebrok disse...

tens a certeza de que algumas peças Microsoft não são feitas na China ? como os talheres da Ikea, etc, etc...

MCA disse...

Seguramente que sim!
Mas não é contra isso que Bruxelas está. Para Bruxelas, a Microsoft (e a Ikea e as multinacionais todas) podem explorar quantos chineses quiserem, podem escravizá-los, podem ter bébés de colo a trabalhar em micro componentes até sangrarem dos seus tenros e hábeis dedinhos. Bruxelas nem toma conhecimento.
Não podem é oferecer software, isso é que é um crime hediondo!

Brikebrok disse...

É o peso-pesado da burocracia ...
mas eu continuo a torcer por nós europeus e não pelos hegemonia dos americanos e para isso há que afastar a concorrência ...

MCA disse...

Afastar a concorrência, sim, claro, afastá-la o mais possível... sendo melhores, não fazendo batota! Não com argumentos falaciosos. E não com pretextos hipócritas.
As manufacturas chinesas fazem uma concorrência desleal com a Europa. É essa que me preocupa. Mas há muitos empresários europeus a irem para países pobres fazer concorrência desleal aos empresários que investem na Europa, que criam postos de trabalho na Europa, que criam riqueza na Europa. Tens uma ideia, ainda que vaga, de quantas fábricas de calçado, vestuário e têxteis, de componentes para a indústria, etc. etc. que já foram à falência em Portugal (quantas famílias foram lançadas para o desemprego!) por causa das deslocalizações para esses países onde não há direitos laborais? Essa concorrência desleal, sim, essa preocupa-me!

pedro silva disse...

MCA: atenção ao seguinte.

A primeira parte do texto está errada.
A Microsoft não oferece software livre. Nunca ofereceu.
A Microsoft não inova nada, e já desde há muito tempo.
A Microsoft tem sistematicamente feito todas as manobras e mais algumas para atacar os concorrentes que existam ou possam surgir nas áreas de software.
Pelo meio tem subornado descaradamente responsáveis políticos e gurus técnicos para que estes divulguem produtos microsoft.

Faz campanhas publicitárias através de rumores e de insinuações contra o software livre Linux, dizendo que os sistemas linux não conseguem ler as partições e as NFTS - a formatação dos dos discos rígidos dos comutadores porque não são compatíveis, coisa que não é verdade.
Insiro neste momento um comentário a partir de um sistema de duplo arranque (linux/xp) e estou na parte dolinux e consigo aceder às partições do xp à vontade.

Para lá disso a Microsoft desde há duas semanas que está a actualizar os xp/Vista, sem pedir autorização ao utilizador relativamente a este concordar ou não com essa actualização. e Pior não se sabendo bem o conteúdo do que é actualizado.

Já com o windows mediaplayer se passaram problemas, devido ao facto de , à partir de determinada altura há uns anos atrás, terem feito os sistemas operativos sem a possibilidade de o utilizador poder apagar o WMP ou o IE.
Que são produtos distintos do sistema operativo e na altura foram multados forçados a separar os produtos ,porque estavam dessa forma ,a impedir instalações de produtos concorrentes nessas mesmas áreas de software.

Isto me breves aspectos técnicos.
A microsoft alem disso lançou o windows Vista, absurdamente caro, e com defeitos técnicos, efalta de algumas funcionalidades, precisamente, para , na lógica do pagamento de licenças pela aquisição do Vista por empresas vir a
" recuperar " o dinheiro pago com esta multa.

Além disso isto é uma forma de meter travões às conversas dos norte americanos acerca de patentes e copyrights. A microsoft está a ameaçar processar criadores de sistems operativs em linus, porque segundo ela, eles usam "ideias derivadas" do código Microsoft.

O que é estranho porque o código Microsoft não é público, portanto é algo difícil que se use ideias derivadas de algo que não se conhece...

Quanto ao resto do texto concordo.

Mas isso tem a ver com o papel a que foi destinado a Portugal e à Europa no grande tabuleiro das coisas: sermos um país de serviços e de turismo , o que obviamente nos limitará a independência de forma total e deixará imensa gente no desemprego.
No fim dir-se-á que a culpa dos desempregados serem desempregados é deles próprios por serem desempregados e mandar-se-ão até a igreja mais próxima para rezarem e se tornarem cristãos conformistas.

Os senhores de Bruxelas estão, quase todos eles, dentro do bolso , dos interesses do neoliberalismo económico e especialmente dos interesses dos norte americanos, representados por OMC, FMI e quejandos do mesmo estilo.

Daí se querer implementar o tratado europeu que visará criar uma situação de escravatura nos europeus.

Em Portugal continua-se a ver bola e telenovelas...

PS: e para quando a 6ªparte do problema das bibliotecas?

MCA disse...

Pedro, obrigada pelo teu comentário. É muito esclarecedor e contém muita informação que eu desconhecia.
Mas eu não defendo a Microsoft, repara. Nem posso, não tenho acções, nem me pagam para os defender. A Microsoft até pode estar a fazer concorrência desleal.
A minha crítica é para a postura hipócrita de Bruxelas porque está preocupada com a concorrência desleal da Microsoft mas não está preocupada com a concorrência muito mais desleal de outras empresas e de outros países.

MCA disse...

Quanto ao empréstimo pago, até já está escrito mas preciso de confirmar algumas informações e conferir alguns links. Eu sou muito cuidadosa nestas coisas...:-)

PJA disse...

Devo esclarecer que, não sendo eu próprio esclarecido em matéria informática (e já estou velho para aprender), a história da Microsoft é absurda. O que é que interessa essa treta da guerra com a Linux (que eu nem sei o que é)? Por que razão é que Bruxelas há-de tomar partido no assunto? A Microsoft apenas faz aos outros aquilo que os outros lhe fariam se pudessem. Aliás, o argumento de que a Microsoft compra favores apenas pode militar no sentido de concluir que esta decisão contra a Microsoft foi comprada por quem pagou mais... E isso já está certo?!? A corrupção anti-americana é uma "boa corrupção"?
MCA, concordo contigo quando falas da verdadeira concorrência desleal que é feita à custa dos pobres, não apenas fora da Europa, mas dos cada vez mais pobres europeus, que vão ser escravos da burocracia e de uma certa nostalgia de bem-estar.

pedro silva disse...

Pja:

O Linux é um sistema operativo para uso em computadores totalmente livre.
Não se paga.
É de borla.
É melhor que o sistema pago da Microsoft.

Tem código fonte aberto. Qualquer programador de informática no mundo pode se quiser e se souber fazer alterações, mudanças, variações, melhoramentos.

A razão pela qual Bruxelas quer tomar parte no assunto deriva do facto de as empresas europeias comprarem pago a peso de ouro sistemas operativos da Microsoft ou serem forçados a comprar sistemas da Microsoft porque ela suborna e desvirtua a livre concorrência do mercado. Impede outras empresas de se desenvolverem ou tenta impedir os sistemas livres de serem livremente distribuídos fazendo campanhas de imprensa e influenciando lideres de opinião na área técnica/informática para que estes digam bem dos produtos microsoft.

Quanto à questão de esta decisão da Microsoft , ou melhor contra Microsoft ter sido comprada por quem pagou mais, lamento informá lo caro pja, mas é impossível.

Nenhuma empresa ou grupo de empresas combinadas na área de negócios da Microsoft teria sequer capacidade para comprar decisões destas.
Simplesmente não teriam dinheiro para isso.Nem músculo jurídico para se embrenharem numa batalha legal dessas.

Já agora informo-o que o estado Português subsidia anualmente a Microsoft num valor que vai entre os 50 a 70 milhões de euros em licenças de uso de software Microsoft.Ou seja,o software que a MCA usa na biblioteca dela é pago ao ano , mesmo depois de já ter sido adquirido.

O mesmo software livre, e na maior parte dos casos melhor, custa ZERO.

Como a Europa quer regulação de mercados, e concorrentes no mesmo mercado de venda de um produto aplicou esta penalização à microsoft.

Quanto a sua ideia de a corrupção anti americana ser boa e a americana ser má, o gabinete de concorrência europeu não funciona exactamente assim.
Existem critérios técnicos para se analisar violações da concorrência e vão a par de critérios políticos.
Neste caso juntaram-se os dois critérios para penalizar a Microsoft.

Em 15dias eles recuperam o dinheiro da multa - aliás já o recuperaram com as vendas do Windows Vista na Europa.

Além disso tudo isto é uma luta de poder e influência entre EUA e Europa. E o software é um campo de batalha.

Nota aparte: não só Bruxelas deve tomar parte no assunto (por mais que eu não goste de Bruxelas e seja contra o novo tratado europeu) como qualquer estado membro, Portugal incluído deveria barrar a Microsoft e os produtos deles.

É Microsoft que paga (ajuda a pagar) as 24 esquadras de porta aviões e navios de escolta e não o contrário.

pedro silva disse...

Já agora e esqueci-me:
www.sourceforge.net

Página onde se podem encontrar 158.000 programas de computador dos mais variados estilos feitios, modelos concepções, etc, todos eles de borla, feitos por programadores e em regime de software livre.


Já agora e quem estiver interessado,clicar na barra lateral e escolher argos-zoom, entra lá e vê um "mindmap" - um esquema em desenho feito por mim com um desses programas livres.
A versão paga custa acima de 100 euros e faz o mesmo que este programa livre.

pedro silva disse...

MCA: eu percebi.

Mas isto é tudo um jogo e uma luta de mercados, uma luta por mercados locais.
Para a Europa, a china é um mercado local assim como para os EUA a china é um mercado local.

NOS MERCADOS EUA e Europa, ambos os competidores, tentam criar problemas ao outro; às empresas do outro.

É contudo claro que a hipocrisia é total, mas também deriva do jogo que a China joga com Bruxelas e com os EUA, ora acenando a um ora a outro.
Bruxelas vai à frente por 20 a 0, porque a China previamente mais a Europa do que os EUA, que são o rival estratégico da China.


O resultado final será o arraso da industria europeia e massivo desemprego.

ps: falo do post bibliotecas precisamente porque preciso de afinar as minhas artes de assedio sexual por post, e além disso vou lançar uma massiva campanha de divulgação por 10 pessoas através do meu blog quando ele estiver pronto.

10 pessoas não , perdão 10 milhões, 10 milhões de pessoas...

PJA disse...

Pedro Silva, obrigado pelo esclarecimento, mas peço, então, outro esclarecimento, sem querer abusar: por que razão as outras empresas de software (europeias ou americanas, ou o que forem) desenvolvem programas gratuitos? Porque, segundo percebi, sendo "o Linux ... um sistema operativo para uso em computadores totalmente livre.
Não se paga.
É de borla" (cit.), alguém investiu neurónios e dinheiro para o desenvolver. Não o vende? Não há direitos, nem royalties, nem nada?!? É usar e pronto, já está? E dar produtos comerciais não é dumping? Por outro lado, se há corrupção, multa-se o corruptor, mas não se prendem os corruptos? Nem sequer se investiga quem eles são? Por fim, por que razão as notícias da TV sobre o assunto falavam de Bruxelas pretender que a Microsoft partilhasse o seu know-how com as outras empresas? Acredito que a notícia esteja errada, porque, se não estiver, então esta seria a única área onde tal coisa aconteceria! Onde já se viu um disparate desses?
De informática eu não sei muito, nem pouco. Não sei nada. Talvez essa a razão destas questões. Agradeço antecipadamente a resposta que me possa facultar.

pedro silva disse...

PJA: fazer software livre e oferece-lo não é dumping.

Dumping é vender abaixo do preço de custo.
Coisas diferentes

As razões pelas quais muitas empresas ou particulares fazem software livre são várias.

Um particular - programador, por exemplo, tem o interesse de se dar a conhecer como técnico experiente no campo; e de se auto desenvolver como programador tentando provar a si próprio que consegue fazer um programa de um determinado tipo.

Ou então porque precisa de uma determinado programa e não está satisfeito com o que existe no mercado, logo faz ele próprio algo melhor do que o que existe.

Também existe o altruísmo próprio das pessoas, o dar algo à comunidade que não é um sentimento tão desaparecido como possa parecer. Senão não existiriam tantos blogs não pagos por exemplo...

Quanto às empresas ou é auto promoção ou é para chamar a atenção para outros produtos que tem.
Ou é para evitar que um dos seus concorrentes ocupe um nicho de mercado com um produto pago -logo a empresa "A" lança algo de borla apenas para evitar que a empresa "B" ocupe esse espaço de mercado.

Também são "testes" de mercado que se fazem, para saber se o utilizador quer isto ou aquilo ou qual serão as opções de futuro em termos de escolha dos consumidores relativamente a produtos informáticos de toda e qualquer espécie.

Sai mais barato para todos inclusivé para a empresa que faz isto do que entrar em concorrência no mercado e tentar desalojar o líder de mercado.

No caso especifico do linux, é um sistema operativo que existe desde 1983 e que foi desenvolvido por um senhor finlandês chamado Linus thorvalds (dai o nome linux) que escreveu um sistema operativo inteiro sozinho, e disponibilizou gratuitamente para toda a comunidade de informáticos, o código fonte do sistema ( ou seja tornou o código aberto) possibilitando que toda a gente pudesse fazer derivações ou criar a partir do código fonte dele novos sistema operativos.

Existem sistems linux pagos e existem sistemas linux( a maioria ) de borla, com a estranha vantagem d serem melhores que os sistemas microsoft
Existem creio que uns 70 sistemas linux diferentes, feitos a partir de 4 ou 5 códigos fontes inspirados no linux do senhor thorvalds

Em portugal basta digitar "caixa magica" no seu browser e irá parar à empresa portuguesa principal da àrea. Que faz um bom linx caixa mágica para empresas com custo de 100 euros( o custo do Windows vista é acima de 500 euros, só o sistema operativo...)

Que tem uma opção de o deixar retirar um linux caixa mágica em CD - para gravar num CD - e experimentar se quiser em sua casa o sistema linux.

O linux UBUNTU é feito por uma empresa inglesa chamada "Canonical" ( digitar no browser) e existem duas possibilidades: ou pede-lhes um cd na página deles, indicando morada,etc ( que foi o que eu fiz e mo enviaram gratuitamente após duas semanas) ou faz download do sistema e grava-o depois em cd a partir do site deles.
Depois instala seguindo os procedimentos, escolhe lingua portuguesa e consegue ter um sistema operativo de borla em português.

O senhor dono da canonical ganhou muito dinheiro com outro produto informático que vende e assim gasta uma parte do dinheiro que ganhou fazendo o linux ubuntu e desenvolvendo-o, e além disso está situado na ilha de MAN,para não ter chatices com as autoridades inglesas em termos de copyrights.

Quanto à sua segunda parte da questão faço-lhe o seguinte alerta que é o de filtrar as conversa absurda da comunicação social que temos.

Quando se fala em partilhar know how, e depois não se explica o que é, a reacção tende a ser a sua.
O que isso significa traduzido do europes -informático é que Bruxelas está a dizer à Microsoft que o modelo de negócio deles deve mudar e que não podem tentar impor restrições a nível de códigos fonte, patentes de software ,etc. Uma vez que estamos na Europa e a legislação de patentes americana não tem qualquer valor na Europa.

Isto porque a Microsoft , faz (também) o seguinte: compra patentes de produtos apenas para impedir que algum outro as compre. Dessa forma cerceia e bloqueia o desenvolvimento do mercado, não só na Europa mas também no mundo.

Eles actuam partindo do principio que o dono de um computador pessoal comprado por um cidadão é a Microsoft e não o cidadão e que a Microsoft tem direito a inserir software dentro do computador de um qualquer cidadão vasculhar o que lá está dentro e até mesmo vetar o uso de software livre por parte do cidadão e em detrimento do software Microsoft. Poer exemplo.

A última brincadeira deles foi começarem há duas semanas a procederem a actualizações de software automáticas feitas a partir da Internet aos computadores dos utilizadores (empresas e particulares) sem perguntarem se os utilizadores queriam instalar essas mesmas actualizações.

O conteúdo das actualizações é desconhecido - não se sabe bem o que foi instalado e o quê.


Ou seja, estão a tentar avançar para uma situação em que o PJA compra um computador e só software pago microsfot ou de associados é que lá pode ser posto e não por exemplo, software da página que lhe indiquei acima, a sourceforge net. Ou de outras.

Ou seja, o PJS e eu e a MCA passamos à categoria de reféns...da Microsoft.


Quanto a Bruxelas e união europeia, não gosto nada deles e das tretas deles e espero que lhe caia um prédio em cima.
Contudo, pja, acredite-me, que neste aspecto eles é que foram os ingénuos e tergiversaram coma Microsoft e não o contrário.

A Microsoft devia era ter levado com 3 ou 4 biliões de multa que é para ver se aprendem a não se armarem em espertos.


Só que tendo em conta que a comissária da concorrência é uam senhora holandesa chamada Nelly kreus sem não estou enganado e que quando foi nomeada comissãria da concorrência pertencia a 12 conselhos de administração de multinacionais penso que as coisas dizem tudo.

Já agora quem a nomeou foi o mordomo das Lajes , o senhor Durão Barroso.
A senhora prescindiu dos lugares nos conselhos de ADM, para poder ocupar o cargo,mas os contactos ficam...

E fico-me por aqui porque escrevia-lhe bastante mais sobre isto...

Eu percebo as suas dúvidas e indignação acerca de corrupção e concorrência,etc, mas aqui o assunto é algo mais complexo e tema a ver com TAMBÉM, a natureza dos produtos em questão, software de computador.

Uma coisa é certa: os dois grandes perigos parra a democracia (aparte Bruxelas, a Europa.etc) são também duas empresas: a Microsoft e o Google, motor de busca.

Dada precisamente a natureza dos produtos/serviços que prestam e a implantação no mercado que detém.

pedro silva disse...

PJA: SÓ para dar um exemplo de que me esqueci: digite openoffice.org.

Irá parar a uma página onde existe a possibilidade de retirar gratuitamente um pacote completo de aplicações office semelhante ao pacote office da Microsoft
com os produtos semelhantes ao Microsoft word/excel/acess/frotnpage etc...

Tamanho: 90 MB. Depois de instalado são uns 400 MB

O Office Microsoft 2003 depois de instalado são uns 2GB (só 4 vezes mais de tamanho...)

Entra dentro de um programa e dentro de outro e não percebe a diferença de tamanho de um para outro dado que quase todas a funcionalidades estão nos dois programas.
Um custa 400 euros, o outro zero.

Administração pública portuguesa compra o de 400 euros, e depois paga uma licença anual para manter a enorme vaidade de pagar a licença anual.

Outro exemplo: digitar "spybot".

Aparece um programa feito por um tipo alemão, que faz e actualiza um sistema anti spyware(software espião) e anti cavalos de troia.

Livre, grátis, com interface em várias línguas - penso que mais de 50.
melhor que muitos pagos.

Isto também porque os magníficos sistemas da Microsoft deixam entrar vírus, elefantes, cavalos de troia, spyware, cobradores das finanças, erros de registo etc...

Que á para por sua vez justificarem que se pague actualizações do sistema para "corrigir" as falhas de segurança( que foram lá "deixadas" sem dúvida por esquecimento...) do magnifico sistema operativo Microsoft.

E que se pague por um antivirus...
e que se pague por um firewall
e que se pague por....

PJA disse...

Pedro Silva, ainda que cobrar um dólar seja dumping e oferecer seja uma promoção (tecnicamente, assim é), suponho que tudo não passa de uma estratégia de conquista de mercado e, nesse sentido, há um efeito de dumping, aliás compreensível. Não acredito nas boas intenções do empresário off-shore e (perdoe-me o cinismo) acho que andam todos a tentar conquistar o mercado para fazerem o mesmo que o Bill Gates, o que não torna este melhor mas, apenas, os outros tão maus como ele. Mas estas são, naturalmente, considerações pessoais, que em nada se sobrepõem ao agradecimento que lhe deixo, pois, numa matéria que lhe é cara e - como se vê - domina perfeitamente, diluiu um pouco a minha densa ignorância. Estarei atento, de um modo mais informado, ao assunto. Mais uma vez, obrigado.
Nota: quando eu precisar, se me permite, "chatearei" de novo.

pedro silva disse...

Pja: eu expliquei-me mal.

O empresário off shore é um jogador pequeno no mundo linux, por estranho que pareça...

Existe pelo menos uma companhia chamada "Red hat" que é maior que o empresário.

O que ele fez foi lançar uma distribuição de linux, e estudou a maior maneira de a lanar estável e acima de tudo barata no sentido de grátis.

Percebo a sua ideia de ele querer "dominar".
Tal não é possível, num mundo onde existem 70 ou 80 linux diferentes e sempre existirão( aliás a tendência é para existirem mais e não menos...).
Nem sequer ele conseguirá alguma vez ser o "padrão".

Eu percebo o seu "cinismo" ,mas ali a lógica é diferente, no mundo linux. Não quer dizer que sejam anjos mas a lógica é diferente.

O mundo linux é outra coisa, e só lhe conseguiria explicar melhor depois d eo PJA ver e usar um linux porque a lógica de funcionamento é completamente adversa e de outro nível em comparação aos sistemas microsoft.

É outra coisa.
Aliás, o futuro , no futuro será o software livre a existir e o que se pagará são serviços com ele relacionados. Não o software...

MCA disse...

Caro Pedro, estou a aprender imenso contigo. Obrigada por perderes o teu tempo a explicares o bê-a-bá destas coisas que eu não domino. Quem não admirará os progressos deste século?!?
PJA, percebo perfeitamente o teu ponto de vista. Para quem está de fora (como tu ou como eu) e é um mero utilizador destas tretas informáticas, para quem só quer um computador que não "crashe", tal como quer um carro que não fique no meio do caminho a deitar fumo, estas questões técnicas parecem menores. Mas provavelmente não são. A Microsoft também foi multada nos Estados Unidos - ao que parece a multa até foi maior - pelas mesmas razões. Com uma diferença. Os Estados Unidos defendem com unhas e dentes - tantas vezes da pior maneira - a sua economia e os seus cidadãos. Já a Europa...

pedro silva disse...

MCA: a lógica que está por detrás disto tudo é - por exemplo - mesma lógica que está por detrás dos "empréstimos pagos" nas bibliotecas...

Isto tem muito que se lhe diga, porque não são só meras questões de Bruxelas, Microsoft,etc.

E nos Estados Unidos foi algo de diferente que se passou, porque a Microsoft não chegou a ser multada no sentido de ter que pagar dinheiro - antes chegaram a acordo compensatório antes de se ir para multa, que era o que eles aqui na Europa queriam evitar.
Dá "mau nome" ser-se multado por distorcer a concorrência.