Aviso: na biblioteca de Jacinto não se aplicará o novo Acordo Ortográfico.

11 fevereiro 2008

O que é a Sociedade da Informação?

O visitante PJA aqui da biblioteca de Jacinto colocou uma questão na caixa de comentários à qual eu não posso deixar de responder com um destaque maior do que uma resposta na mesma caixa.
Pergunta o PJA «O que é a Sociedade da Informação?»
Confesso que não estava à espera dessa pergunta, talvez porque toda a gente fala em Sociedade da Informação mas raramente alguém pergunta o que é. Não fui eu que falei em Sociedade da Informação e era improvável que o fizesse porque não gosto da expressão e não gosto porque tresanda a chavão e eu detesto chavões.

Mas voltando à pergunta. A maneira mais fácil de responder (desculpa, mas é mesmo mais fácil) é transcrevendo a definição que está no Livro Verde para a Sociedade da Informação, publicado em 1997.
Tenho, no entanto, de fazer uma advertência. O Livro Verde para a Sociedade da Informação é um documento político (no sentido amplo do termo). A visão que decorre do texto que a seguir transcrevo na íntegra é a visão padronizada, política (e politicamente correcta?) daquilo a que se convencionou chamar Sociedade da Informação.
Não é a minha visão nem reproduz a minha opinião. Essa poderá vir depois. Para já fica apenas a definição, a seco.

«A Sociedade da Informação constitui um desafio que tem de ser enfrentado com determinação de modo a adequar o país às profundas mudanças daí resultantes. As manifestações da "Sociedade da Informação" rodeiam o nosso quotidiano, afectam o comportamento das organizações e influenciam o pensamento estratégico das Nações.

«Mas o que significa, afinal, essa expressão "Sociedade da Informação"? Por que razão as empresas alteram o seu rumo e as Nações têm necessidade de reflectir estrategicamente em função deste novo estádio da sociedade? Como será possível retirar o máximo proveito da revolução da informação em curso? Será que estamos em condições de também poder beneficiar desta nova forma de organização da sociedade? Haverá barreiras a transpor e estará ao nosso alcance a vontade e a energia para as vencer? Será que o espaço geopolítico europeu em que nos inserimos tenderá a reforçar a sua coesão em função do desenvolvimento da Sociedade da Informação ou as forças subjacentes ao seu crescimento contribuirão para cavar um fosso maior
entre os países mais desenvolvidos e os que, como Portugal, procuram a convergência com os primeiros?


«A expressão "Sociedade da Informação" refere-se a um modo de desenvolvimento social e económico em que a aquisição, armazenamento, processamento, valorização, transmissão, distribuição e disseminação de informação conducente à criação de conhecimento e à satisfação das necessidades dos cidadãos e das empresas, desempenham um papel central na actividade económica, na criação de riqueza, na definição da qualidade de vida dos cidadãos e das suas práticas culturais. A sociedade da informação corresponder, por conseguinte, a uma sociedade cujo funcionamento recorre crescentemente a redes digitais de informação. Esta alteração do domínio da actividade económica e dos factores determinantes do bem-estar social é resultante do desenvolvimento das novas tecnologias da informação, do audiovisual e das comunicações, com as suas importantes ramificações e impactos no trabalho, na educação, na ciência, na saúde, no lazer, nos transportes e no ambiente, entre outras.

«Uma das abordagens mais correntes considera que a transição da sociedade industrial para a sociedade pós-industrial é uma mudança ainda mais radical do que foi a passagem da sociedade pré-industrial para a sociedade industrial. Em particular, prevê-se que, na sociedade pós-industrial, não serão nem a energia nem a força muscular que liderarão a evolução, mas sim o domínio da informação. Nesta óptica, os sistemas da sociedade, humanos ou organizacionais, são basicamente pensados como "sistemas de informação".

«As tecnologias da informação e das comunicações são já parte integrante do nosso quotidiano. Invadiram as nossas casas, locais de trabalho e de lazer. Oferecem instrumentos úteis para as comunicações pessoais e de trabalho, para o processamento de textos e de informação sistematizada, para acesso a bases de dados e à informação distribuída nas redes electrónicas digitais, para além de se encontrarem integradas em numerosos equipamentos do dia a dia, em casa, no escritório, na fábrica, nos transportes, na educação e na saúde. A sociedade da informação não pertence a um futuro distante. Assume uma importância crescente na vida colectiva actual e introduz uma nova dimensão no modelo das sociedades modernas.
Os computadores fazem parte da nossa vida individual e colectiva e a Internet e o multimédia estão a tornar-se omnipresentes. Contudo, tal como a rádio não substitui os espectáculos ao vivo, a televisão não faz as vezes da rádio, o cinema não fez desaparecer o teatro, estes novos meios também não irão substituir os livros e outros meios tradicionais, mas simplesmente acrescentar as suas capacidades adicionais ao leque das opções disponíveis.
«Há, também, a percepção de um fenómeno de turbulência provocado pela sucessiva introdução de novas tecnologias. O tempo individual e colectivo é acelerado, impondo reajustamentos de valores e de comportamentos, devido à obsolescência de anteriores paradigmas elaborados sobre uma base tecnológica diferente. O atraso ou a recusa desses ajustamentos, algo natural em resultado da inércia social, corresponderão a um menor crescimento económico e a um decréscimo do bem-estar.

«Os responsáveis políticos têm, neste momento, plena consciência de que o futuro das Nações será condicionado pela forma como as novas tecnologias de informação e de comunicação forem assimiladas e do êxito e da rapidez dessa absorção. Neste contexto, é fundamental o desenvolvimento da reflexão estratégica, por forma a aproveitarem-se as oportunidades oferecidas pelas novas tecnologias e de modo a se transporem as barreiras a esse aproveitamento.
«A consciência dos desafios e das oportunidades da sociedade da informação tem vindo a ganhar ímpeto e peso na sociedade portuguesa. Contudo, são ainda muito numerosas e importantes as tarefas que faltam realizar para que o país possa ocupar um lugar de vanguarda na nova sociedade global, baseada na informação e no conhecimento, em que um dos suportes é a interconexão por redes electrónicas digitais à escala mundial. Um dos principais desafios consiste em acompanhar os nossos parceiros da União Europeia, assim como as restantes economias mais desenvolvidas do mundo, na transferência dos benefícios da sociedade da informação para os cidadãos. Em consequência, teremos de centrar os nossos esforços na implantação efectiva
de todos os aspectos da Sociedade da Informação que possam contribuir para o nosso desenvolvimento e para a redução das disparidades em relação aos países com que competimos na economia global.

«Um factor determinante para o êxito destas transformações é a sua activa aceitação social. É essencial criar condições equitativas de acesso aos benefícios que esta gera e combater simultaneamente os factores que conduzem a novas formas de exclusão do conhecimento, a info-exclusão. É indispensável fomentar o reforço da coesão social e da diversidade cultural, a igualização de condições em espaços regionais diversificados, incentivar a participação dos cidadãos na vida da comunidade e oferecer um Estado mais aberto e dialogante na identificação dos problemas e das soluções de interesse público. Haverá ainda que criar oportunidades de emprego e contribuir para as alterações na organização das empresas de modo a que se tornem mais eficientes e competitivas num mercado alargado.

«A Europa já iniciou o seu caminho para a Sociedade da Informação. O sinal de partida foi dado pelo relatório da Comissão Europeia, aquando da presidência de Jacques Delors, através do Livro Branco sobre "Crescimento, Competitividade, Emprego - Os Desafios e as Pistas para Entrar no Século XXI". Este documento, publicado em Dezembro de 1993 na sua versão original, dedica toda uma secção à sociedade da informação. Afirma-se ali que "A Europa dispõe do know-how e da experiência indispensáveis para a implementação de um espaço comum da informação. Contudo, importa ainda mobilizar estas potencialidades num esforço comum e criar um
enquadramento político que permita pôr em prática, o mais brevemente possível, as acções necessárias".
«Perante as potencialidades do sector da informação para a criação de emprego sustentável, para a transformação das organizações no sentido de um aumento da sua produtividade, para a melhoria da qualidade de vida das populações e ainda para a coesão económica e social, é evidente a necessidade de não se perder tempo na adaptação da sociedade portuguesa às novas oportunidades emergentes.

«A Sociedade da Informação desenvolveu-se no quadro de economias de mercado. Às instituições públicas tem cabido fundamentalmente um papel regulamentador para evitar desequilíbrios e injustiças que possam decorrer do funcionamento livre das forças de mercado, assim como um papel dinamizador indispensável. A emergência da sociedade da informação tem tanto de imprevisível como de riqueza em oportunidades para os cidadãos, para as empresas e para as Nações, que se saibam apetrechar de forma a não deixarem escapar os benefícios decorrentes.
«Com o advento da revolução digital e da concorrência à escala global, muitas empresas começaram a explorar as novas oportunidades de mercado, desenvolvendo áreas de negócio até então inexistentes. O crescimento do mercado das comunicações móveis, a explosão da Internet, a emergência do comércio electrónico, o desenvolvimento da indústria de conteúdos em ambiente multimédia, a confluência dos sectores das telecomunicações, dos computadores e do audiovisual, demonstram o enorme potencial das tecnologias de informação para gerar novas oportunidades de emprego, estimular o investimento e o desenvolvimento acelerado de novos sectores da economia.

«O desenvolvimento desta Sociedade requer alterações significativas capazes de ultrapassarem resistências à mudança e um certo grau de inércia organizativa, ainda visíveis na Administração Pública e nas empresas.
Estas transformações são ainda mais complexas num contexto de restrições orçamentais e de combate ao desemprego. A constatação destas dificuldades suplementares deverá servir, no entanto, para estimular o engenho, de modo a que se encontrem soluções dentro dos recursos orçamentais disponíveis para a melhoria da estrutura organizativa aliviando o peso da burocracia no Estado e nas empresas. Criam-se assim condições de aumento da eficiência na oferta de serviços ao cidadão, de melhoria da qualidade do ensino e da prestação dos serviços de saúde, de acesso à cultura e ao conhecimento, e contribui-se para o crescimento da produtividade e da competitividade das empresas nacionais e para a melhoria geral da qualidade de vida dos cidadãos.

«Importa referir as implicações jurídicas da sociedade da informação e mais concretamente a necessidade de serem acautelados, pela via legislativa, os problemas que podem decorrer do recurso às novas tecnologias de informação e das comunicações, designadamente a protecção dos dados pessoais, a segurança jurídica das bases de dados, a protecção da propriedade intelectual, o combate à violação dos direitos humanos e aos atentados contra menores.

«Este Livro Verde pretende ser uma reflexão estratégica para a definição de um caminho de implantação da Sociedade da Informação em Portugal, numa perspectiva transversal, centrada nas suas manifestações nos múltiplos domínios da vida colectiva e da organização do Estado, e subordinada a preocupações de estímulo à criatividade, à inovação, à capacidade de realização, ao equilíbrio social, à democraticidade de acesso, à protecção dos carenciados e dos que apresentam deficiências físicas ou mentais.
«As orientações e as medidas propostas neste Livro Verde correspondem a opções da política do Governo, não se encontrando, contudo, necessariamente detalhadas e orçamentadas, por tal estar fora do âmbito desta reflexão estratégica. Prosseguir as medidas enunciadas, após a sua aprovação pelos Órgãos de Soberania competentes, constituirá um objectivo para a presente Legislatura.»

(Livro Verde para a Sociedade da Informação)

7 comentários:

dissidentex disse...

Donde se concluem duas coisas.

1 - Quem escreveu esta chilreada insuportável foi um jurista( um ou vários dada a verborreia inconsequente e palavrosa...)

2- Quem escreveu esta "coisa" chamada Livro verde para a sociedade da informação" também não sabe o que é sociedade da informação.

Adicionalmente percebe-se porque é que o Livro Verde se chama Verde.

Ficamos "verdes" a tentar perceber o que é sociedade de informação; e a ler esta clara e precisamente definida "definição " do livro Verde.

PJA disse...

MCA, agradeço a informação, a qual, todavia, não me esclareceu acerca de um ponto que me pareceu, no debate que se travava e que suscitou a minha pergunta, o relevante: em que é que a "sociedade da informação" contraria ou derroga a necessidade de saber o que é o incunábulo ou como se data uma iluminura ou... o que for? Pelo contrário, até surgiria favorecido o acesso ao conhecimento, se o mesmo pudesse circular mais facilmente! Eu tenho aprendido muito com a internet. Nunca achei que mexer no computador me inibisse de pensar ou de me cultivar.
Por isso, independentemente de a "soc. da inf." poder ser um chavão, ou uma treta, rejeito, absolutamente, a incompatibilidade entre cultura e tecnologia. Esse é o discurso que convém aos incultos, para poderem ser "os maiores" mesmo sendo semi-analfabetos, porque se refugiam no chavão para justificarem a incapacidade para escrever ou pensar.

Mais uma vez, muito grato pelo destaque que deste ao assunto, ou, em alternativa, na linguagem da s. da i.,
+1x mtgrt p destak k 10-te o açunto

MCA disse...

Chavões como "sociedade da informação" e "globalização" são-me particularmente... como direi? Detestáveis. Mas explicar porquê leva tempo. Por isso, hei-de fazê-lo em breve (e a par dos textos sobre o empréstimo pago) mas não para já.

MCA disse...

Dissidentex, uma das razões pelas quais não gosto deste e de outros chavões é precisamente por serem inventados por tecnocratas e plutocratas e outros "cratas" com o único fim de nos endrominar.
Mas hei-de voltar ao tema, não para já.

Bibliotecário em cuecas disse...

Pensei que já estivessemos na "sociedade do conhecimento".
Quem conhece alguém safa-se, quem não conhece...

dissidentex disse...

MCA: eu também não gosto desta conversa...

Off Topic: os próximos dias vou postar ( Já começou hoje) sobre bibliotecas e empréstimo pago...dividido em várias partes...

MCA disse...

E eu vou acompanhar, Dissidentex.