Aviso: na biblioteca de Jacinto não se aplicará o novo Acordo Ortográfico.

14 março 2007

A banda sonora da minha vida

Tenho vindo a publicar aqui vários posts que vou agrupando na «banda sonora da minha vida». Mas já são tantos e já tenho tantos em reserva que devo aos visitantes da Biblioteca de Jacinto uma explicação: a banda sonora da minha vida não é apenas constituída pelas músicas de que mais gosto ou as músicas que mais me marcaram. Se me perguntassem por essas, eu não saberia apontá-las.
Há-que dizê-lo com frontalidade: a música é a minha vida, a minha respiração, a minha alma e o meu sangue. Não saberia viver sem música. A minha memória de passarinho para palavras, imagens, números e caras está toda, toda, toda ocupada com música. Música clássica, música pop, música tradicional, música medieval, música portuguesa, música francesa, música italiana, música de filmes, música de anúncios, música de séries, música boa e música má. Acumula-se na minha cabeça de uma forma desordenada, fixo-a toda, memorizo-a toda, nunca sei as letras, muitas vezes não sei quem a canta nem quem a toca, não fixo mais nada, fixo só a música. Música, música, música.
Nunca esqueço uma música, oiço uma brevíssima introdução, às vezes só um acorde, e sei a que música pertence. O meu aparelho auditivo tem uma ligação directa à minha alma: com cada música vem uma emoção, uma memória, um cheiro, um arrepio, um sopro. É pavloviano. É coisa de bicho.
Quando era pequena, morava num prediozinho de dois pisos, no Campo de Santana. A varanda da cozinha dava para uns quintais e, para esses quintais, davam as trazeiras de outros prédios. Lembro-me de virar um balde ao contrário e pôr-me em cima para chegar ao parapeito. Depois, abria os foles e cantava. Cantava a Habanera da Carmem, a Canção de Solveig, as canções dos Beatles, o que calhava. A minha mãe ouvia todos os dias a Antena 2 (na altura era a Emissora Nacional), principalmente os programas de ópera. Eu ouvia, fixava e vinha para a varanda cantar. Toda a vizinhança me conhecia.
Na escola, cantava durante as aulas porque me esquecia de que estava nas aulas. Os professores tinham de me mandar calar, aí eu acordava e dava mais cinco minutos de atenção à aula. Fui má aluna, claro. Ao 40 anos já não me importo de contar estas coisas porque já não me interessa nada o que podem pensar de mim mas, na infância, foi difícil viver com esta música toda dentro da cabeça, principalmente porque eu passava tardes a ouvir Haendel quando os outros ouviam Police e Ramones. E eu não tinha assunto de conversa.
Só comecei a interessar-me pela música "própria da minha idade" (seja lá o que isso fôr) no início da adolescência, mais ou menos na mesma altura em que comecei a interessar-me por rapazes. Mais uma vez, a música era uma obsessão. Gostava de músicas repetitivas cantadas por rapazes maquilhados e que dançavam com movimentos de ancas. Rapazes com ancas! Era a época dos telediscos (já não se chamam assim, acho eu), do "top ten" ao Domingo à tarde, que eu sorvia em frente à televisão para ver as ancas e os olhos azuis do Simon Le Bon, a poupa e os olhos castanhos do vocalista dos Spandau Ballet e o cabelo de vassoura e os olhos lânguidos de um escanzelado andrógino chamado Limhal que eu achava giríssimo porque nessa idade gostava de rapazes que fossem parecidos com brinquedos.
Depois fui para a faculdade. Corria o ano de 1984. Entrei muito nova, até ao fim da faculdade fui sempre a mais nova de todas as turmas onde estive. Achei, então, que estava na altura de me tornar mais séria e intelectual. Eu já estava na Universidade! Deixei de comprar a revista «Coquette» (que ensinava coisas inocentes como usar maquilhagem e falar com rapazes sem parecer que me estava a atirar) e voltei a gostar de música pela música. É dessa fase a minha descoberta da pop/rock dos anos 70 e do melhor que se fazia nos anos 80. Não me desinteressei dos rapazes mas foi nessa altura que descobri que os inteligentes era muito mais interessantes do que os estúpidos. É também dessa fase que tenho as mais doces recordações de adolescência. Sempre associadas a música. Tudo, sempre, indissociável da música.
Depois da faculdade, depois do vinte eum, vinte e dois anos, as coisas mudaram. Fiz outras "descobertas" musicais, muitas delas associadas a filmes e à minha própria pesquisa de coisas novas. Isso também está associado ao facto de eu ter começado a ter dinheiro para comprar discos.
Procuro, ainda hoje, não perder aquela inocência indispensável para que a música nos toque, nos marque, nos fira na alma. É isso que me permite, ainda hoje, ter músicas que entram para a banda sonora da minha vida. É isso que me permite que essa banda sonora tenha não meia-dúzia, não uma dúzia, mas largas dezenas ou até centenas de músicas.
E que aqui vos vou mostrando, como quem despe a alma.

8 comentários:

Teresa disse...

Com alterações ínfimas aqui e ali (tirando a trajectória pessoal), isto podia ter sido escrito por mim, Clara.
Também eu tenho uma reacção animal à música. Também eu, nos dois primeiros segundos, identifico logo o que é, de quem é. E sei as letras.
Fiquei famosa por isso. Uma vez, há muitos anos, no Stone's, sítio onde eu estava noite após noite nos meus anos boémios porque tinha a minha música, um amigo meu, sem eu saber, ganhou uma garrafa de whisky numa aposta à minha custa.
Apostou com outro que eu conseguiria identificar, o outro teimava que não. A música em questão (e era tudo menos apropriada para uma boîte, mas o Stone's era assim, e por isso me era tão querido) nem sequer era do meu tempo, eu era uma miúda a mudar a dentição quando aquilo tinha saído.
Música pedida ao disc-jockey, que estava sempre disposto a atender os pedidos do nosso grupo, veio-me o desafio.

Às duas primeiras notas eu disse já em transe, já embalada na música belíssima:

- Moody Blues. Never Comes the Day.

Claro que eles não podiam saber que sempre foi a minha música favorita deles. Alguém pagou a aposta.

A música é esta:

Moody Blues - Never Comes the Day

P.S. Tenho o "teledisco" do Limahl, Never Ending Story. 1984. Continuo a adorar a música. Cabe tudo.

-pirata-vermelho- disse...

Então...
para matar saudades, ponha lá isto
na barra de endereços do Internet Explorer

http://www.uniquetracks.com/streaming/realaudio/OFavorites/OF04.ram

-pirata-vermelho- disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
-pirata-vermelho- disse...

http://www.uniquetracks.com/streaming/realaudio
/OFavorites/OF04.ram

Brikebrok disse...

Que bela descoberta, o teu blog! vou voltar !

MCA disse...

Obrigada Brikebrok (ou devo antes dizer, grazie) tentei deixar uma mensagem no teu blogue mas não consegui. Bem vinda. Volta sempre.

Alexandra disse...

Ahhhh....então está explicado. Por mim falo: não me importo nada de continuar a ouvir esta banda sonora!!

Felicidades!

Alessio disse...

Grazie per l'apprezzamento