Aviso: na biblioteca de Jacinto não se aplicará o novo Acordo Ortográfico.

19 junho 2007

Palmira Bastos (1875-1967)

Fez no passado dia 10 de Maio 40 anos que a grande actriz Palmira Bastos faleceu. Percorrendo o espólio do compositor Augusto Machado encontrei esta nota manuscrita, datada de 1903 - Palmira Bastos tinha 28 anos - que não sei se alguma vez chegou a ser publicada.


Aqui fica o testemunho, quiça inédito, 104 anos depois de ter sido escrito:

«Só aos grandes artistas é dado produzir o que se chama: impressão de arte.
«Palmyra Bastos tem este condão; ella é interprete, creadora e musa: executa, colabora e inspira. A.M.»

5 comentários:

António Balbino Caldeira disse...

Muito grato pela solidariedade, Maria! E parabésn pelo blogue de muita qualidade,, que linkarei na próxima actualização Do Portugal Profundo.

António Balbino Caldeira disse...

E, já agora, as notificações são mesmo reais. Estão confirmadas.

Todavia, não posso dizer mais nada sobre este assunto...

JosePedroSilva disse...

Maria, muito bom este post...
De facto foi uma excelente actriz...
Acho mt bem que deva ser divulgado e não ser esquecida...
José Pedro Silva

carlos disse...

ter assistido a rpresentaões de algumas pessoas começa a ser preocupante...
40 anos?... :S

jose quintela soares disse...

Eu era garoto, mas nunca esqueci a peça "As Árvores Morrem de Pé", em que a grande actriz, já muito idosa, "levanta" a plateia quando, batendo com a bengala no chão do palco, afirma:
"Morrer sim, mas de pé! De pé, como as Árvores!"

Fantástica Palmira Bastos.