Aviso: na biblioteca de Jacinto não se aplicará o novo Acordo Ortográfico.

02 novembro 2010

Rio Homem, de André Gago

Já todos ouvimos falar de Vilarinho da Furna (ou das Furnas) a aldeia submersa numa barragem, no início dos anos 70 do século XX. Mas nem todos ouvimos bem ou ouvimos o que devíamos e merecíamos saber. Vilarinho da Furna foi um dos últimos exemplos (a par de uma já muito deturpada aldeia Rio de Onor) de sistema social e económico comunitário, com leis próprias, propriedade colectiva, verdadeiramente natural e não fruto de uma qualquer macaqueação ideológica. Tal aldeia seria para sempre submergida pela barragem da Caniçada, sem que se manifestasse da parte das autoridades o mínimo respeito pela sua população. Objecto de investigação por etnólogos, entre os quais Jorge Dias (que também estudou Rio de Onor), e de observação por cineastas, fotógrafos e curiosos, temos hoje, de Vilarinho da Furna, o equivalente ao catálogo da biblioteca de D. João IV: sabemos o que continha mas já não podemos consultá-la nem ouvir a sua música. Com a diferença de que, no caso desta biblioteca, foi uma catástrofe natural, imprevisível e inevitável que a fez desaparecer; Vilarinho da Furna, foram a estupidez, a ignorância e a cupidez humanas que a destruíram para sempre.
André Gago debruçou-se sobre este tema desde os anos 80. Conhecemo-nos há mais de vinte anos, ele a começar a carreira de actor e eu sem saber ainda que carreira iria ter. Ele viajava já habitualmente entre Lisboa e Trás-os-Montes para fazer as suas recolhas sobre máscaras tradicionais, tema que continua a estudar com entusiasmo. Na altura, ajudei-o a desenvolver uma ficha de inventário e tivémos interessantes conversas sobre a sua pesquisa. Circunstâncias da vida afastaram-nos por quase vinte anos e vim a reencontrá-lo no umbigo da rede em que se tornou o Facebook.
Há dias, topo com uma capa e um título sugestivo: Rio Homem. Autor, André Gago. O Rio Homem conheço-o bem (ou pensava que conhecia); trouxe o livro para casa e não consegui parar de ler.
Rio Homem é uma história e é três histórias: é a história dos últimos trinta anos da existência de Vilarinho das Furnas, dos seus costumes e modos de vida. Mas lá fora, no mundo, tudo o que acontece, acaba por se repercutir na vida desta aldeia: a Guerra Civil de Espanha, a política florestal do Estado Novo, a Segunda Guerra Mundial, a Guerra Colonial e, finalmente, o Plano Hidroeléctrico Nacional. O fio condutor, Rogélio, é um herói à maneira Romântica, um refugiado da Guerra Civil de Espanha, único sobrevivente do seu grupo, qual holandês voador, facto que lhe corrói a consciência apesar de não ter tido culpa de escapar, ao contrário do mítico navegador. Figura trágica, viajante sem lugar e sem tempo, vergado pela adversidade, naufraga na vetusta aldeia, também ela fora do espaço e do tempo, e aí cuida encontrar um lugar de redenção. Tão semelhantes, herói e aldeia, na singularidade e no Destino, ambos lutam contra o rolo compressor do Progresso numa guerra de derrota anunciada.
Extraordinariamente bem escrito e bem documentado, este romance leva tempo a abandonar o leitor depois de lida a última linha. Ficam no ar perguntas e um sentimento contido de revolta. O mal está feito, Vilarinho da Furna desapareceu irremediavelmente, mas a questão que fica é esta: que lugar têm ainda, neste mundo onde somos obrigados a viver, a diferença, a singularidade, a cultura e a tradição? Quantos lugares ainda terão de ser reduzidos a tabuletas «Neste lugar existiu...» até que responsáveis políticos, poderes económicos e vulgares cidadãos percebam que não são (não somos!) donos de nada, nem da terra, nem da cultura, nem da tradição e apenas tomamos conta do que levou séculos a construir e nos foi confiado nesta breve passagem pelo Mundo?

3 comentários:

Anónimo disse...

Boa tarde:
Sobre este livro já tive oportunidade de dar o meu breve parecer no blogue "Porta Livros", blogue esse que me remeteu para A Biblioteca do Jacinto. De facto, como eu dizia nesse blogue, O Rio Homem desiludiu-me. André Gago, no entanto, merece um longo abraço pela sua ousadia.

Um abraço longo, também para o blogue A Biblioteca do Jacinto
Armando Sousa

Anónimo disse...

É bom que se publiquem destes livros, ajudam-nos a crescer, aprendendo

Luís Miguel

Anónimo disse...

Foi há poucos minutos que soube do Livro "O Rio Homem", que, já anseio por lê-lo!..
São muitas as razões que me levam a lê-lo! não posso citá-las todas!... uma delas é que eu nasci numa aldeia transmontana, Agrochão - Vinhais - Bragança, onde cresci, aprendi também com mestres locais e creio que sei "beber" a Natureza!!.. uma outra razão é o texto, diria fantástico, de MCA!!.. é um sério convite à leitura do Livro e é, sobretudo, um convite, absolutamente necessário e urgente, à reflexão!!... Vilarinho da Furna é um exemplo, um mau exemplo!!..., de tantos outros, entre os quais cito, o Vale do Tua, o Vale do sabor, .... com as suas baixas negociatas dadas pelo nome de barragens!!....
Quedo-me por aqui!...
Obrigado, MCA
JoséFins